Defesa de Tese de CRISTIANO SATHLER DOS REIS - Curso: Doutorado em Demografia

Calendário
Defesas
Data
15.02.2019 9:00 am - 1:00 pm

Descrição

Defesa de Tese do Programa de Pós-Graduação em Demografia/CEDEPLAR/FACE/UFMG

 

Aluno: Cristiano Sathler dos Reis

 

Título: “A história de tabagismo no Brasil segundo coortes de nascimento, sexo e escolaridade e seus efeitos prováveis sobre a mortalidade adulta futura”

 

Data da Defesa: 15/02/2019 (Sexta-feira)

Horário: 09h00

 

Orientador:       Prof. Cássio Maldonado Turra (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Coorientadora: Profa. Kenya Valéria Micaela de Souza Noronha (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

 

Banca Examinadora:      Prof. Cássio Maldonado Turra (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

                                       Profa. Kenya Valéria Micaela de Souza Noronha (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

                                       Prof. Bernardo Lanza Queiroz (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

                                       Profa. Mônica Viegas Andrade (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

                                       Profa. Mirian Martins Ribeiro (UFOP)

                                       Prof. Marcos Roberto Gonzaga (UFRN) (Participação por Videoconferência)

 

Local da Defesa: Sala 3138 – 3º andar - FACE/UFMG - CAMPUS PAMPULHA

 

RESUMO:

Objetivo geral da tese foi estudar o padrão histórico de tabagismo no Brasil e avaliar em que medida as mudanças na prevalência de tabagismo afetarão a mortalidade no país, por sexo, até 2030. Para articular a história de tabagismo com os níveis de mortalidade do passado e do futuro, a tese propôs três objetivos específicos: 1) a reconstrução da história de tabagismo no Brasil entre 1948 e 2008, por idade, período e coorte; 2) a estimação da mortalidade atribuível ao tabagismo entre 1980 e 2015; 3) as projeções dos efeitos do tabagismo sobre a mortalidade brasileira até 2030. As principais fontes de dados utilizado na tese foram a Pesquisa Especial de Tabagismo (2008), Censos Demográficos de 1980, 1991, 2000 e 2010, estimativas de mortalidade do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e da Population Division (2017) das Nações Unidas. As correções do excesso da mortalidade para os fumantes foram seguindo a mesma abordagem metodológica sugerida por Vechhia et al. (1986) e Brenner (1993). Foi utilizado o método indireto de Peto et al. (1992) para a estimação da mortalidade atribuível ao tabagismo entre 1980 e 2015. Além disso, foi utilizado o método sugerido por Janssen et al.(2013) e Palloni et al. (2013), desenvolvido a partir do método de projeção de Lee-Carter (1992) para projetar a mortalidade total e excluindo o tabagismo até 2030. O padrão da história do tabagismo entre 1948 a 2008 é diferente para homens e mulheres. A prevalência do tabagismo entre os homens foi consideravelmente superior à feminina, independentemente da idade, período e coorte de nascimento. Observou-se um atraso de pelo menos 15 anos na propagação da epidemia entre as mulheres em relação aos homens. O nível educacional desempenha um papel importante como preditor do consumo do tabaco. Nos resultados apresentados para os homens, observou uma maior prevalência do tabagismo para indivíduos de menor nível de escolaridade em relação aos indivíduos com maior nível de escolaridade durante todo o período e entre todas as coortes. No entanto, entre as mulheres, mostrou que essa relação é mais fraca, sobretudo entre as coortes de nascimento entre 1934-1938, 1939-1943, 1944-1948 e 1954-58. O tabagismo deixou uma marca importante nos níveis e tendências da mortalidade passada brasileira. Entre 1980 a 2015, o tabagismo foi responsável por 4.716.986 mortes entre os homens e 1.802.057 mortes entre as mulheres, com um total de 6.519.043 óbitos. A estimativa da expectativa de vida incluindo a mortalidade atribuível ao tabagismo (todas as causas) e excluindo a mortalidade atribuível ao tabagismo mostram o impacto do consumo do tabagismo nas últimas décadas. A expectativa de vida adulta excluindo a mortalidade atribuível ao tabagismo é maior em relação à expectativa de vida do total da população durante todo o período analisado. As projeções foram realizadas durante o período de 15 anos, entre 2015 e 2030. Os ganhos na expectativa de vida entre os homens durante este período foi de 3,9 anos para o conjunto de todas as causas e 1,1 anos excluindo a mortalidade atribuível ao tabagismo. Os ganhos na expectativa de vida entre as mulheres foram de 1,9 anos para o conjunto de todas as causas e 1,6 anos excluindo a mortalidade atribuível ao tabagismo. Esse resultado mostra a contribuição da queda da prevalência do tabagismo nas últimas décadas e, consequentemente, na redução da mortalidade atribuída ao tabagismo nos ganhos futuros da expectativa de vida.

 

ABSTRACT:

The general objective of the thesis was to study the historical pattern of smoking in Brazil and to evaluate the extent to which changes in smoking prevalence will affect the country's mortality by sex until 2030. To articulate the history of smoking with the levels of past and of the future, the thesis proposed three specific objectives: 1) the reconstruction of the history of smoking in Brazil between 1948 and 2008, by age, period and cohort; 2) the estimation of mortality attributable to smoking between 1980 and 2015; 3) projections of the effects of smoking on Brazilian mortality by 2030. The main sources of data used in the thesis were the Special Smoking Survey (2008), Demographic Censuses of 1980, 1991, 2000 and 2010, mortality Information on Mortality (SIM) and the United Nations Population Division (2017). Corrections of excess mortality for smokers followed the same methodological approach suggested by Vechhia et al. (1986) and Brenner (1993). The indirect method of Peto et al. (1992) for the estimation of smoking attributable mortality between 1980 and 2015. In addition, the method suggested by Janssen et al. (2013) and Palloni et al. (2013), developed from Lee-Carter's projection method (1992) to project total mortality and excluding smoking by 2030. The pattern of smoking history between 1948 and 2008 is different for men and women. The prevalence of smoking among men was considerably higher than that of women, regardless of age, period and birth cohort. There was a delay of at least 15 years in the spread of the epidemic among women compared to men. The educational level plays an important role as a predictor of tobacco consumption. In the results presented for the men, a higher prevalence of smoking was observed for individuals with lower level of schooling in relation to individuals with higher level of schooling during the whole period and among all cohorts. However, among women, this relationship was weaker, especially among birth cohorts between 1934-1938, 1939-1943, 1944-1948, and 1954-58. Smoking has left an important mark on the levels and trends of Brazilian past mortality. Between 1980 and 2015, smoking was responsible for 4,716,986 deaths among men and 1,802,057 deaths among women, with a total of 6,519,043 deaths. Estimates of life expectancy including smoking-attributable mortality (all causes) and excluding attributable smoking mortality show the impact of smoking in the last decades. The adult life expectancy excluding smoking attributable mortality is higher in relation to the life expectancy of the total population during the analyzed period. The projections were performed over the 15-year period between 2015 and 2030. Life expectancy gains among men during this period was 3.9 years for all causes and 1.1 years excluding attributable mortality to smoking. Life expectancy gains among women were 1.9 years for all causes and 1.6 years excluding smoking attributable mortality. This result shows the contribution of the fall in the prevalence of smoking in the last decades and, consequently, in the reduction of mortality attributed to smoking in the future gains of life expectancy.