Defesa de Dissertação de GUILHERME SILVA CARDOSO - Curso: Mestrado em Economia

Calendário
Defesas
Data
21.02.2019 8:00 am - 11:30 am

Descrição

Defesa de Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Economia/CEDEPLAR/FACE/UFMG

 Aluno: GUILHERME SILVA CARDOSO

Título: “POLÍTICA FISCAL E GASTO PÚBLICO NO BRASIL: impactos na renda das famílias e na atividade econômica”

Data da Defesa: 21/02/2019

Horário: 08h00

Orientadora: Profa. Débora Freire Cardoso (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Coorientador: Prof. Édson Paulo Domingues (CEDEPLAR/FACE/UFMG) (Participação por videoconferência)

 

Banca Examinadora:     

Profa. Débora Freire Cardoso (Orientadora) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. Édson Paulo Domingues (Coorientador) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)(Participação por videoconferência)

Profa. Aline Souza Magalhães (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. João Prates Romero (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Profa. Kênia Barreiro de Souza (UFPR)

     

Local da Defesa: Auditório nº 1  – Bloco de Seminários - Prédio da FACE/UFMG - CAMPUS PAMPULHA

 

RESUMO: Inspirada no contexto de contenção dos gastos publicos, que tem marcado a economia brasileira desde o início de 2015, a presente dissertação teve como objetivo estimar os impactos dessa política na atividade econômica de forma detalhada, nos setores da economia e nos grupos familiares.

Para tanto, utilizou-se o BRIGHT (Brazilian Social Accounting – General Equilibrium Model for Income Generation, Households and Transfers), um modelo de equilíbrio geral computável desagregado para 10 classes de Famílias, que incorpora a geração, apropriação e uso da renda, primária e secundária, além de elementos de dinâmica recursiva. Foram construídos cenários de projeção de modo a simular diferentes comportamentos do crescimento futuro dos gastos do Governo (até 2037).

Os resultados mostram que o cenário de política contracionista com resposta do investimento privado é ligeiramente menos prejudicial, em termos de sacrifício do produto e renda das famílias, do que um cenário de política simplesmente contracionista. Quanto aos impactos nas famílias, o cenário contracionista para os gastos públicos promove queda na renda de todas as classes, assim como o cenário de política contracionista com resposta do investimento, mas com resultados ligeiramente superiores, para todas as classes de renda. A análise dos efeitos de políticas fiscais sobre as famílias muitas vezes desconsidera que o uso de serviços públicos representa importante parcela do consumo das famílias, especialmente de menor nível de renda, mais dependentes desses serviços. Assim, neste trabalho, também se realiza um esforço de imputação do gasto público social com saúde e educação, que possibilitou verificar a atuação progressiva dos gastos do Governo na renda social das famílias e ter uma estimativa mais adequada do impacto do corte de gasto público sobre estas. Conclui-se que, ao se considerar a oferta de bens públicos como renda social, cenários de contração dos gastos do Governo com educação e saúde pública, seja com resposta ou não do investimento privado, teriam efeitos regressivos na distribuição de renda.

 Palavras Chaves: Política Fiscal; Gasto público; Austeridade; Equilíbrio Geral Computável; Atividade econômica; Famílias

 ABSTRACT: Inspired by the context of public expenditure containment, which has marked the Brazilian economy since the beginning of 2015, the present dissertation aimed to estimate the impacts of this policy on economic activity in a detailed way, for the economy sectors and households groups.

Therefore, the BRIGHT (Brazilian Equilibrium Model for Income Generation, Households and Transfers) was used, a disaggregated computable general equilibrium model for 10 household classes, which incorporates the generation, appropriation and use of primary and secondary income, as well as elements of recursive dynamics. Projection scenarios were setted up in order to simulate different behaviors of the future growth of government spending (up to 2037).

The results show that the scenario of contractionary policy setted by a private investment response is slightly less detrimental, in terms of output sacrifice and household income, than the scenario of a simply contractionary policy. The  scenario of contractionary public spending also promotes a drop in income for all the households classes, as well as the scenario of contractionary policy with investment response, but with slightly higher results for all income classes. The analysis of the effects of fiscal policies on households often disconsiders the fact that the use of public services represents an important part of their consumption, especially those with lower income, who are more dependent of these services. Thus, the present work made an effort to impute social public spending on health and education onto the households income, which made it possible to verify the progressive performance of government expenditures and to have a more adequate estimation of the impact of the cut of public spending on households ‘social income’. It is concluded that, considering the supply of public goods as part of the social income, scenarios of government spending contraction on education and public health, accompanied or not by private investment, have regressive effects on income distribution.

 

Keywords: Fiscal Policy; Public expenditure; Austerity; Computable General Equilibrium; Economic activity; Households.