Webmail Portuguese English Spanish

Tese do Prorgama de Pós-graduação em Demografia recebe Prêmio Capes de Tese 2022

Home >Notícias >Tese do Prorgama de Pós-graduação em Demografia recebe Prêmio Capes de Tese 2022

É com grande satisfação que comunicamos que a tese de Samuel Araujo Gomes da Silva recebeu o Prêmio Capes de Tese 2022 da área de Planejamento Urbano e Regional / Demografia.

A tese, “Nós que mudamos, eles não”: a importância do suporte familiar, da idade e do gênero na análise do desenvolvimento da identidade sexual e da saúde mental de lésbicas, gays e bissexuais em Minas Gerais, foi desenvolvida no Programa de Pós Graduação em Demografia, foi orientada pela Professora Paula de Miranda Ribeiro e co-orientada pelos professores Gilvan Ramalho Guedes e Kenya V. M. de Souza Noronha.

 

 

O arquivo digital completo pode ser encontrados do Repositório Institucional da UFMG em:

https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/38600

O resultado do edital foi publicado em:

https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/edital-n-11/2022-resultado-premio-capes-de-tese-edicao-2022-421902318

Resumo:

A presente tese teve por objetivo discutir as associações de idade, gênero e suporte familiar com o desenvolvimento da identidade sexual (DIS) e com a saúde mental (SM) de lésbicas, gays e bissexuais (LGB) em Minas Gerais. Para tanto, utilizou-se a abordagem de método misto através da aplicação de um survey on-line com 754 LGB residentes no estado em 2019, dos quais 33 também participaram de entrevistas semiestruturadas. O procedimento de seleção de respondentes para o survey baseou-se na técnica Respondent Driven Sampling (RDS), visto que não existem informações sobre o tamanho e a composição da população LGB no Brasil. A aplicação do questionário online resultou na construção de um banco de dados inédito com informações sobre minorias sexuais em Minas Gerais, que permitiu compreender a relação entre desenvolvimento da identidade sexual e saúde mental nessa população (objetivo específico 1). A avaliação do survey foi feita com base em métricas topológicas das redes formadas pelas cadeias de indicação dos respondentes (conectividade, caminho médio, grau médio e coeficiente de assortatividade). Para analisar os diferenciais de gênero e de idade no DIS e nos resultados de SM (objetivo específico 2) foram feitas análises descritivas, bivariadas, multivariadas e a delimitação de perfis multidimensionais utilizando o método Grade of Membership (GoM). Por fim, as entrevistas semiestruturadas com os 33 indivíduos LGB foram analisadas por meio da combinação das técnicas de análise de conteúdo e redes temáticas. Essa etapa permitiu aprofundar as análises dos resultados quantitativos e verificar se as mudanças institucionais em prol da diversidade sexual e de gênero refletiram-se em alterações no suporte familiar no processo de DIS entre LGB no estado (objetivo específico 3). Os resultados sugerem que as mulheres apresentaram marcadores de DIS em idades mais avançadas do que os homens, mas com um intervalo menor entre se reconhecer e comunicar a sua sexualidade. Elas também tiveram os piores resultados de saúde mental, especialmente entre as mais jovens. Além disso, foi possível identificar que, apesar dos avanços institucionais em prol da diversidade sexual e de gênero na sociedade em geral, houve poucas mudanças no interior dos domicílios de origem em relação à aceitação e acolhimento de filhos(as) LGB. Logo, o papel do apoio familiar e a lacuna entre a igualdade na família e nas instituições orientadas para o indivíduo são elementos fundamentais nas análises sobre saúde mental, na formulação de políticas públicas e nas estratégias de coleta de dados e informações sobre minorias sexuais.

Abstract:

This dissertation aims to discuss the associations of age, gender, and family support on the development of sexual identity (DSI) and mental health (MH) of lesbians, gays, and bisexuals (LGB) in Minas Gerais. Therefore, we used the mixed method approach through the application of an online survey with 754 LGB residents in the state in 2019. Out of this first sample, 33 individuals also participated in semi-structured interviews. The procedure for selecting respondents for the survey was based on the Respondent Driven Sampling (RDS) technique, as the information on the size and composition of the LGB population in Brazil is not available. The application of the online questionnaire resulted in the construction of an unprecedented database with information on sexual minorities in Minas Gerais, which allowed us to understand the relationship between the development of sexual identity and mental health in this population (specific aim 1). The survey evaluation was based on topological metrics of the networks formed by the respondents’ indication chains (connectivity, average path, average degree, and assortativity coefficient) of the networks formed by the respondents’ indication chains. We used descriptive, bivariate, multivariate analyzes and the delimitation of multidimensional profiles using the Grade of Membership (GoM) method to investigate the gender and age differentials in DSI and MH results (specific aim 2). Finally, the semi-structured interviews with the 33 LGB individuals were analyzed by combining content analysis techniques and thematic networks. This stage allowed deepening the analysis of the quantitative results and verifying whether institutional changes in favor of sexual and gender diversity are reflected in changes in family support in the DSI process among LGB in the state (specific objective 3). The results suggest that women had DSI milestones at older ages compared to men, but with a shorter interval between recognizing and communicating their sexuality. They also had the worst mental health outcomes, especially among the younger ones. Furthermore, it was possible to identify that despite institutional advances towards sexual and gender diversity in society in general, little has changed within the household of origin concerning the acceptance and care of LGB children. Therefore, the role of family support and the gap between equality in the family and individual-oriented institutions are fundamental elements in the analysis of the mental health of sexual minorities, as well as in public policies and data collection strategies about this population.