Estimativas de saldos migratórios e taxas líquidas de migração do Brasil (1960/90)

Resumo

Os últimos censos demográficos brasileiros contêm um notável conjunto de dados sobre movimentos populacionais que, se adequadamente trabalhados, podem proporcionar estimativas sobre importantes aspectos dos fluxos migratórios. Por outro lado, dados não diretamente ligados à migração, manipulados através de técnicas indiretas, permitem chegar à estimação de saldos migratórios (CARVALHO, 1980). A geração de estimativas de fluxos migratórios internos e, mais recentemente, internacionais, através da combinação de técnicas diretas e indiretas, representa um desafio metodológico que vem sendo enfrentado por uma equipe de professores, pesquisadores e alunos do Cedeplar, dedicada aos estudos de migração. Assim, diversas teses, dissertações, relatórios de pesquisa e artigos investiram no desenvolvimento e aperfeiçoamento de métodos e técnicas direcionados à estimação de categorias analíticas, tais como saldos migratórios intercensitários, migração de retorno, migração por etapas, migração de passagem e emigração internacional. Nesse sentido, o conjunto de procedimentos desenvolvidos em CARVALHO (1980 e 1996), CARVALHO e FERNANDES (1996), RIBEIRO (1997), CARVALHO e RIGOTTI (1998), RIGOTTI (1999) e CARVALHO et al. (2001) são referência básica.

Dados os objetivos deste trabalho, são descritos os procedimentos para se estimar, nas décadas de 60, 70 e 80, os saldos e taxas líquidas, decenais e qüinqüenais, por sexo e idade, da migração no Brasil e nas unidades da federação (UF), nela incluídos, sem desagregação, os migrantes internos e internacionais. Outrossim, são discutidos os procedimentos para se estimar, no qüinqüênio 1986/1991, o número de emigrantes internacionais e os saldos migratórios internacionais do País e das UF.

Coordenador

Prof. José Alberto Magno de Carvalho

Equipe

José Alberto Magno de Carvalho
Ricardo Alexandrino Garcia

Relatório

Exibir o relatório