No dia 31/05, o Seminário Acadêmico da Demografia dará lugar ao Seminário "O Censo Agropecuário 2017" organizado pelo IBGE e que será sediado pela Face. O seminário tem como objetivo dar ampla divulgação do Censo Agropecuário à comunidade acadêmica, assim como discutir com os usuários a complexidade e a operacionalização desta importante fonte de dados. 

Título: O Censo Agropecuário 2017 (Instituto Brasileiro de Estatística - IBGE)

Data: 31/05/2017 - quarta-feira

Local: FACE/UFMG - Auditório 1

Horário: 8h30 às 18h

 

Programação:

08:30 – Inscrições

09:00 – Solenidade de Abertura do encontro

09:15 – Fala do Chefe da Unidade Estadual do IBGE em Minas Gerais.

09:30 – Coffee Break

09:30 – Mesa Redonda: Censo Agropecuário sua Importância e Grandeza:

  Palestrantes Confirmados:

            Luciano Tavares Duarte – Coordenador Adjunto do Censo Demográfico – IBGE

            Antônio Carlos Simões Florido – Coordenador do Censo Agropecuário – IBGE

            Humberto Silva Augusto – Supervisor das Pesquisas Agropecuárias em MG – IBGE

11:30 – Debate

12:00 – Almoço

14:00 – Mesa Redonda: A importância do Censo Agropecuário na Sociedade

  Palestrantes Confirmados:

            Dr. Pedro Cláudio Coutinho Leitão – Secretário Estadual de Agricultura de MG – SEAPA/MG

            Drª Aline de Freitas Veloso – FAEMG

            Profª Drª Sonaly Cristina R. B. de Lima – UFMG

            Dr. Jason de Oliveira Duarte – Chefe Adjunto de Administração da Embrapa Milho e Sorgo

16:00 – Debate

16:30 – Coffee Break

17:00 – Palestra Máster sobre Uso e Ocupação do Solo proferida pela da Profª Drª Lussandra Martins da UFMG

17:45 – Cerimônia de Encerramento

 

SÉRIE DE CONFERÊNCIAS JEAN MONNET

“Fighting Austerity. Why after 80 years the General Theory of Keynes is still relevant today”
Maria Cristina Marcuzzo (Università di Roma "La Sapienza")
Debatedor convidado: Gilberto Libânio (UFMG)

Data: 01/06/2016
Horário: 19h 
Local: FACE/UFMG - Auditório Prof. Rodrigo Simões (1070) da FACE/UFMG
            Campus Pampulha da UFMG, Av. Antônio Carlos, 6627 - Belo Horizonte/MG


Realização: Centro de Estudos Europeus da UFMG & Módulo Jean Monnet (ThePoEU) – Co-financiado pelo programa Erasmus+ da Comissão Europeia.

Apoio: Cedeplar/UFMG

 

Profa. Maria Cristina Marcuzzo no Cedeplar/UFMG

O Cedeplar/UFMG recebe entre 30 de maio e 2 de junho a Profa. Maria Cristina Marcuzzo (Università di Roma "La Sapienza") para um mini-curso no Programa de Pós-graduação em Economia e uma conferência em colaboração com o Centro de Estudos Europeus e o Módulo Jean Monnet da Comissão Europeia sediado na FACE/UFMG. A Profa. Marcuzzo é uma renomada especialista em história do pensamento econômico e pensamento keynesiano e ministrará um curso com o tema “Cambridge School of Economics in Perspective”, cujas sessões ocorrerão de terça a sexta-feira (30 de maio a 2 de junho), sempre entre 14:30h e 17:30. A conferência, por sua vez, terá lugar na quinta-feira dia 1º de junho e será parte da Série de Conferências Jean Monnet e terá como título “Fighting Austerity. Why after 80 years the General Theory of Keynes is still relevant today”. Tendo como ponto de partida a reflexão crítica acerca da dinâmica de austeridade iniciada no contexto da crise da dívida pública da Zona Euro a Profa. Marcuzzo discutirá a atualidade da obra mais importante de John Maynard Keynes, a Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, publicada originalmente em 1936. A conferência terá como debatedor convidado o Prof. Gilberto de Assis Libânio do Cedeplar/UFMG.

 

Convidamos a todos para a palestra do Professor Michael Heinrich sobre a atualidade de O Capital

Data: 26/05/2017 - sexta-feira

Horário: 11h

Local: Auditório 1 da FACE/UFMG

 

Como parte da programação de eventos em comemoração aos seus 50 anos, o Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), da Faculdade de Ciências Econômicas, promove, no dia 1º de junho, a partir das 14h, no auditório da Faculdade de Ciências Econômicas (Face), seminário para discutir a importância e as possibilidades da extensão universitária.

Segundo a professora Sibelle Diniz [foto acima], organizadora do evento ao lado do professor Anderson Cavalcante, as atividades de extensão são fundamentais na Universidade, mas ainda não ocupam espaço de destaque no Cedeplar. “O seminário pretende discutir a relação da extensão com o ensino e a pesquisa nos níveis de graduação e pós-graduação”, aponta Sibelle.

A programação do evento será composta pela mesa A extensão na universidade e o seu papel formador, que vai abordar, de acordo com Sibelle, a extensão como experiência formativa para toda a comunidade universitária. A discussão será feita pela professora Benigna Maria de Oliveira, pró-reitora de Extensão, pela coordenadora do Centro de Extensão (Cenex) da Face, Lizia de Figueiredo, e pelos professores do Cedeplar João Antônio de Paula e Anderson Cavalcante.

Em seguida, um painel com experiências de extensão realizadas e em curso no Cedeplar será apresentado pelos professores Laura Wong, Ana Flavia Machado, Roberto Luís Monte-Mór e Mario Marcos Rodarte e pela doutorada em Demografia Sulma Marcela Cuervo. Por fim, os participantes debaterão as potencialidades e desafios da extensão na interação com a pesquisa e o ensino no Cedeplar.

A programação completa do Seminário está disponível no site comemorativo de 50 anos do órgão. Os interessados devem se inscrever, até 31 de maio, por meio deste link.

Perguntas Frequentes

 

1. Qual é o nível de conhecimento do língua portuguesa o de outras línguas que o estudante deve ter?

O estudante deve ter suficiência da língua portuguesa porque as aulas são dadas em português; É importante ter um domínio inglês porque grande parte dos textos são nessa língua.  É possível estudar português no Centro de Extensão da Faculdade de Letras da UFMG/CENEX-FALE. Para mais informações, consulte www.letras.ufmg.br/cenex/cursos.html  ou Divisão de Extensão Universitária.

2. As aulas são oferecidas em que língua?

As aulas são ministradas em Português. No entanto, é importante ter um bom domínio do inglês, porque cerca de 90% da literatura de referência para as aulas está em inglês.

3. É necessário apresentar certificado de exames internacionais como AILS ou TOEFL? Que outros certificados são aceitos?

É aconselhável ter certificados deste tipo, no entanto o processo de seleção contém uma prova que exige apenas a demonstração da compreensão de textos em inglês. Certificados de institutos e escolas podem ser apresentados como substitutos para testes de proficiência internacional, porém serão avaliados por uma comissão que decide sobre sua aceitação. 

4. Qual o nível de Inglês é necessário para o curso?

O nível de inglês desejável é de pelo menos o intermediário superior. Não é obrigatório passar por exames oficiais como TOEFL ou AILS, mas é altamente aconselhável ter um nível que permita compreender textos em inglês.

5. Quantas línguas o candidato deve saber?

A UFMG exige que o candidato a doutorado demonstre conhecimento de língua inglesa e uma terceira língua diferente do português; o candidato a mestrado precisa demonstrar conhecimento de língua inglesa.

6. O que devo fazer se não tiver certificados ou outros documentos que evidenciem meu conhecimento de outras línguas diferentes do português? 

Neste caso, o/a candidato/a deverá se submeter a uma prova de conhecimentos da língua. Esta prova faz parte do processo de seleção e é aplicada subsequente à prova de conhecimentos em Dinâmica Demográfica.

7. Se tenho pouco domínio do português, existe possibilidade de melhorá-lo estando no Brasil? 

Sim, a UFMG oferece diversos cursos de português para estrangeiros. Consulte: www.letras.ufmg.br/cenex/cursos.html  ou na Divisão de Extensão Universitária.

8. Preciso viajar para Belo Horizonte para fazer os exames da seleção ?

Não há necessidade de viajar para Belo Horizonte. O Cedeplar tem uma rede internacional de instituições parceiras que podem ajudar na aplicação dos testes. É muito provável que na cidade do/a candidato/a exista uma instituição parceira. Muitas vezes, os escritórios do UNFPA também têm dado este tipo de apoio ao Cedeplar.

9. É possível fazer a entrevista via Skype/Web?

Quando há necesidade de entrevistas, sim, é possível realizar a entrevista via web. A responsabilidade para a entrevista ser realizada nas datas e horários estabelecidos pela Comissão de Seleção é do/a candidato/a.

10. Meu diploma de bacharelado/licenciatura e meu histórico escolar estão em espanhol / francês / inglês / italiano / alemão. É necessário traduzí-los para o português antes de enviar?

Não. Nos casos de documentos emitidos nas línguas mencionadas não é necessária a tradução. Os originais são exigidos, somente, no momento na matrícula. No caso dos diplomas, exige-se autenticação por parte do consulado brasileiro no país de emissão do documento.

11. Qual é o requisito mínimo de conhecimento do português, uma boa compreensão da linguagem é o suficiente?

A UFMG não exige português fluente. Todo o processo de seleção pode ser feito no idioma do candidato. No entanto, para um bom aproveitamento do curso é importante ter uma boa compreensão oral e escrita da língua. É aconselhável ao menos um curso intensivo de português antes do início das aulas.

12. Existe algum procedimento específico sobre o processo de seleção para os estrangeiros?

O processo de seleção feito pela UFMG é o mesmo para estrangeiros e brasileiros. Já  o convênio  PEC-PG  da CAPES é para não brasileiros.

13. Estou com problemas para pagar a taxa de Inscrição pois resido fora do Brasil, o que devo fazer?

Entre em contato com a Secretaria  de  Mestrado e Doutorado do CEDEPLAR  ( Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.) para receber orientações específicas sobre como proceder.

13.1 Devo pagar alguma quantia para o processo de seleção além da taxa de inscrição ?

O processo de seleção da UFMG é inteiramente financiado pelo governo brasileiro. Os custos relativos ao envio de documentação, transporte e similares são de responsabilidade do/a candidato/a.

14. É necessário pagar pela matrícula na Universidade?

Não. A UFMG é uma universidade pública, apoiada pelo governo brasileiro.

15. Todos os alunos têm bolsas de estudo?

Por ser um curso de excelência, o Programa de Demografia recebe do governo brasileiro uma quantidade razoável de bolsas de estudo. Mas, embora haja uma grande probabilidade de que mais de 50% dos alunos recebam uma bolsa de estudos, não há garantia que essa proporção se mantenha todos os anos.

16. Que critérios são usados para fornecer bolsas de estudo?

O programa usa os critérios meritocráticos, independentemente da nacionalidade ou outras características do candidato. Os melhores colocados no processo de seleção têm maior probabilidade de ter uma bolsa do programa.

17. Os valores destinados às bolsas são suficientes para se viver em Belo Horizonte?

Sim. Embora o termo "suficiente" seja relativo, os valores permitem ao aluno levar uma vida dentro dos padrões acadêmicos normais. É importante considerar que essas bolsas são administradas por agências independentes da Universidade e que podem ocorrer atrasos  na implementação das mesmas. Para essas situações, é importante que o estudante tenha algumas reservas monetárias. 

17.1 No caso de obter uma  bolsa do governo brasileiro, ela é implementada de imediato?

A implementação das bolsas independe da UFMG e passa por processos burocráticos que podem demorar alguns meses. É altamente recomendável se precaver para eventuais demoras.

18. Que documentos são necessários para formalizar a matricula?

Além dos documentos solicitados para a aplicação, você deve ter: Cópia do histórico da graduacao, inclusive do Diploma, legalizados pelo consulado brasileiro, do país de emitiu o documento, Cadastro de pessoa física (CPF), Comprovante de domicílio, Registro Nacional de Estrangeiros (RNE). Estes documentos são exigência legal do país e o estudante deve providencia-los após sua sua chegada ao Brasil.

Em alguns consulados brasileiros é possível obter o CPF antes de viajar ao Brasil. Consulte se esse é seu caso. A posse de CPF  facilitará suas transações monetárias. 

19. O documentos exigidos aos estrangeiros  geram algum custo?

Sim, o processamento de documentos exigidos pelo governo brasileiro para formalizar sua estadia requer do pagamento de taxas.  Sugerimos que revise os requerimentos e custos de processamento solicitados pela Polícia Federal no site: http://www.dpf.gov.br/servicos/estrangeiro/requerer-registro-e-emissao-renovacao-de-cedula-de-identidade-de-estrangeiro/requerer-registro-renovacao-e-anistia

20. Qual a data estimada para inicio das atividades?

As atividades acadêmicas regulares começam em fevereiro ou março, no entanto o Programa oferece disciplinas propedêuticas e introdutórias a fim de garantir uma nivelação do aluno, que lhe permita um desempenho satisfatório ao longo do restante o Programa As atividades propedêuticas iniciam-se  no mês de Janeiro e é altamente recomendável que profissionais das Ciências Sociais, Humanas e áreas afins façam estas disciplinas 

21. O programa oferece seguro de atenção médica?

Não,  nem o Programa nem as agências que outorgam as bolsas contemplam seguro de atenção médica uma vez que o Brasil possui um sistema de atenção pública de saúde que busca ser universal. Os estrangeiros com visto de estudante tem acesso ao SUS. Devido a preferências individuais, muitos alunos optam por custear um serviço de saúde privado.  

22. Terei tempo suficiente para providenciar minha viagem ao Brasil e começar as aulas em tempo? 

Os resultados da seleção feita pela UFMG, ou pela CAPES, por força do calendário acadêmico  saem no final do ano, e as aulas propedêuticas estão programadas para início em Janeiro. Portanto, o estudante deve se empenhar ao máximo para obter toda a documentação disponível. É uma boa estratégia ir adiantando as gestões para obtenção do visto e de todos os documentos que precise para sair de seu país, mesmo antes da publicação dos resultados.